Resenha: Uma Casa No Fundo de Um Lago – Josh Malerman

0
1074

Olá leitores do Sobre Livros! Não é segredo que sou fascinada pela escrita do Josh Malerman. Depois de quase enfartar de medo lendo “Caixa de Pássaros”, virei fã assumida e leio qualquer coisa que ele publique. Então quando a Intrínseca anunciou a publicação de “Uma casa no fundo do lago” o problema foi conseguir esperar o lançamento…

Amo o trabalho da editora, que sempre capricha em suas edições. “Uma casa no fundo de um lago” é uma novela curtinha, com apenas 159 páginas (confira aqui as diferenciações entre conto, novela e romance). Todo início de capítulo tem a página decorada, folhas amareladas e uma fonte questionável – é, provavelmente vocês nunca me verão satisfeita com a fonte, PRECISO de letras maiores. A capa é lindíssima e representa bem o conteúdo do livro.

Josh Malerman é escritor, músico e compositor norte-americano da banda de rock The High Strung e autor de Piano Vermelho (confira aqui a resenha) e Caixa de Pássaros (confira aqui a resenha), que está sendo adaptado pela Netflix.

O livro começa com um convite muito inusitado: James convida Amelia para sair. Tá, isso não parece inusitado. Mais clichê ainda se pensarmos que eles tem 17 anos. Mas esse não é um convite qualquer, James quer impressionar. Então mesmo que ele esteja trabalhando na loja do pai e extremamente constrangido com a situação toda, ele a convida para passear de canoa em um lago. Nada de cinema ou boliche, que tal remar debaixo do sol quente? 😛

Amelia gosta da ideia e aceita. O casalzinho mal pode esperar, ambos ansiosos e temerosos de como tudo irá acabar. James pede uma canoa emprestada com o tio e na data marcada, se encontram.

O lago principal é majestoso, e James se preocupa se vai agradar Amelia ao avistar uma lancha lotada de adolescentes bêbados. Será que aquele seria o encontro perfeito? Será que ela já está arrependida de ter aceitado seu convite?

Então ele propõe uma aventura mais solitária: que tal irmos até o segundo lago, que poucas pessoas conhecem e menos ainda animam visitar? Contrariando as expectativas, Amelia topa. O segundo lago também é magnífico, menor que o primeiro. Mas o curioso é que tem um túnel todo pichado, que está parcialmente submerso. Para onde será que ele conduz?

Amelia e James apesar de temerosos, aceitam a exploração. Se arrastam pelo túnel escuro e apertado, com receio de que fiquem encalhados. Mas não dá para voltar agora, mesmo que para isso eles precisem empurrar a canoa com as mãos, arranhando-a no avanço. Mas todos os enfolados e esforço são recompensados do outro lado do túnel.

O terceiro lago é completamente deserto, aparentemente intocado. Os pombinhos adiantam-se, explorando cada detalhe do lago, quando são surpreendidos. No fundo do lago, eles conseguem visualizar… caramba. Não pode ser. Como uma casa de dois andares foi parar no fundo do lago?

E esse é o início de uma história de amor, mergulhada em mistério e assombro. A leitura é super rápida, fluída, e nos envolve de tal maneira que só a largamos quando finalizada.

Confesso que não gostei tanto de “Uma casa no fundo de um lago” quanto gostei de “Caixa de Pássaros” – na verdade, passa bem longe. Mas foi aprazível conhecer mais uma história do Malerman.

Indico a leitura para aqueles que gostam de narrativas jovens, amores adolescentes e mistérios arrebatadores. Boa leitura!

COMPARTILHAR
Artigo AnteriorAnimais Fantásticos | Os Crimes de Grindelwald ganha trailer final!
Próximo ArtigoVox | Arqueiro publica livro de Christina Dalcher
Laila Ribeiro é mestra em Escrita Criativa pela PUCRS; pós-graduada em Gestão Empresarial, em Gestão Pública e MBA em Gestão de Recursos Humanos; graduada em História pela PUC Minas (2014) e em Administração Geral e Agroindustrial pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2007). Atualmente, é membro da equipe do site literário Sobre Livros (www.sobrelivros.com.br), e mantém o canal literário https://www.youtube.com/c/ribeirolaila. Participou de antologias de contos (Insanas - Elas Matam!, Onisciente Contemporâneo, Translações Singulares e Não Culpe o Narrador) e, em 2016, foi monitora da Oficina de Criação Literária do professor e escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

COMENTAR