Resenha: Caixa de Pássaros – Josh Malerman

13
11919

Olá leitores do Sobre Livros! Meus pais não acreditam, mas eu sou a maior medrosa quando se trata de livros/séries/filmes de terror, devido ao fato de amar fantasia. Eles não acreditam que história de vampiros e lobisomens podem não evocar medo. Mas a verdade é que desde 2003 não me deparo com uma história que me assustasse tanto quanto Caixa de Pássaros.

Comprei o livro em um impulso de curiosidade. Mesmo sabendo que era um livro considerado de terror, não pude segurar a vontade de entender o que diabos se passava nessa história – ops, sendo uma história de terror seria melhor não atrair espíritos malignos, né? 😛

Caixa de Pássaros foi escrito por John Malerman – que veio na Bienal do Livro do Rio de Janeiro de 2015 – que é cantor e compositor da banda de rock High Strung. Atualmente ele mora em Ferndale, Michigan, com a noiva.

O livro começa nos mostrando o momento que a protagonista Malorie toma uma atitude para mudar sua situação atual. Ela está sozinha em uma casa deteriorada, encurralada e precisa criar a coragem de sair do único lugar que lhe deu algum abrigo. Ela tem dois filhos, um menino e uma menina, de quatro anos, que foram muito bem treinados para viver nessa nova realidade.

Acontece que em certo momento, os humanos começaram a presenciar alguns fatos aterradores. Sem qualquer motivo aparente, pessoas no mundo todo têm ataques de violência. Mas não são ataques comuns, como assaltos, estupros e serial killers como infelizmente somos obrigados a conviver. É pior. Em um ataque a mãe enterrou vivos os filhos e se matou.  Em outro o homem arrancou os próprios olhos com uma colher. As pessoas estavam ferindo gravemente – e de maneira grotesca – as pessoas a seu redor, e depois se suicidavam.

Em um primeiro momento ninguém entendeu o que estava acontecendo, mas a medida que esses ataques aumentavam, as pessoas começaram a suspeitar que havia algo motivando essa violência. E que esse algo provavelmente era um ser. Alguma coisa viva que podia se locomover e que não estava sozinho –  a humanidade presenciava sua derrocada para seres que ela nem podia descrever, afinal uma única olhadela para esse ser eclodia a violência.

Todas as pessoas que avistaram um desses seres não conseguia relatar o que viu para ajudar os demais a se defenderem. Assim que via, a pessoa era tomada pela insanidade e agredia quem estivesse perto e depois a si mesma. Nenhum governo resistiu, pouco a pouco a humanidade foi reduzida a aqueles que conseguiam se proteger daquilo que estava do lado de fora de suas casas, protegendo a visão daquele ser inexplicável.

Com a humanidade quase extinta, Malorie conseguiu sobreviver dentro de uma casa que tinha todas as suas janelas protegidas com cobertores. Desde que a crise estourou que ela não via o lado de fora. Buscava água em um poço a alguns metros da porta dos fundos da casa, mas para essa e qualquer outra tarefa que necessitava fora da casa era preciso usar uma venda sobre os olhos. Para sobreviver, era preciso não enxergar.

Malorie precisa sair da casa, mas o único caminho é o rio atrás da propriedade. Ela precisará usar um barco para levar os filhos pelo rio. Tarefa extremamente perigosa para quem precisará remar e guiar o barco usando uma venda.

A leitura de Caixa de pássaros nos deixa o tempo todo apreensivos, não consegui parar de ler. Precisava saber para onde Malorie estava levando os filhos, se conseguiria, se encontraria uma salvação. E mais: como as coisas chegaram naquele ponto. Como uma mulher sobreviveu sozinha e criara os filhos por 4 anos? Durante a leitura vamos aumentando o número de questionamentos e a curiosidade nos faz avançar, mesmo que tenha momentos realmente pavorosos.

A narrativa de Malerman nos prende e já na primeira página embarcamos nessa viagem apavorante. O mais assombroso é que a trama e a narrativa são tão envolventes, que demorei alguns dias depois de terminar o livro para conseguir perceber, em retrospectiva, que a história tem alguns furos, mas nada que comprometesse a minha opinião de que o livro é sensacional. O autor tinha o objetivo de nos prender e é exatamente isso que acontece, o livro cumpre sua meta.

Duvido que exista alguma pessoa que leu a sinopse desse livro e que não ficou tremendamente curioso. Quando peguei o livro para ler pensei que das duas, uma: Ou o livro seria incrível ou o autor se atrapalharia ao revelar o grande mistério. A saída que Malerman escolheu para finalizar o livro foi brilhante – não vou comentar mais para não soltar spoiler, mas quem quiser conversar comigo sobre esses pontos, vamos conversar aqui nos comentários (mas coloque um aviso de spoiler, ok?).

A edição da Intrínseca está arrepiante! A capa incorpora a atmosfera do livro, todo início de capítulo tem a página decorada. As páginas são amareladas e a fonte confortável. São 268 páginas de muita adrenalina.

Indico a leitura para aqueles que gostam de mistério, de livros que nos prendem pelo seu ambiente sombrio. Vários momentos fiquei absurdamente assustada. Boa leitura!

COMPARTILHAR
Artigo AnteriorResenha: O Nome do Vento – Patrick Rothfuss
Próximo ArtigoResenha: A Menina Que Tinha Dons – M. R. Carey
Laila Ribeiro é mestra em Escrita Criativa pela PUCRS; pós-graduada em Gestão Empresarial, em Gestão Pública e MBA em Gestão de Recursos Humanos; graduada em História pela PUC Minas (2014) e em Administração Geral e Agroindustrial pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2007). Atualmente, é membro da equipe do site literário Sobre Livros (www.sobrelivros.com.br), e mantém o canal literário https://www.youtube.com/c/ribeirolaila. Participou de antologias de contos (Insanas - Elas Matam!, Onisciente Contemporâneo, Translações Singulares e Não Culpe o Narrador) e, em 2016, foi monitora da Oficina de Criação Literária do professor e escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

13 COMENTÁRIOS

  1. EU GOSTEI MUITO DO LIVRO, NÃO DIRIA EXATAMENTE DE TERROR , MAS SIM DE SUSPENSE. MUITO BEM ESCRITO E O INTERESSANTE QUE CONFORME FUI LENDO , COMECEI A CONTAR TRECHOS DO LIVRO ARA FAMILIA QUE FICOU MUITO INTERESSADA, E A CADA PALPITE LÓGICO SOBRE O DESENROLAR DAS COISAS O AUTOR ME DAVA A RESPOSTA DE IMEDIATO. QUANDO O PEGUEI PARA LER NÃO CONSEGUI PRENDER MINHA ATENÇÃO E AGORA FIQUEI ENAMORADA. NÃO SEI SE ERA A INTENÇÃO MAS, ACHO QUE O LIVRO MOSTRA UM POUCO COMO SOMOS E COMO TEMOS MEDO DO NOVO E ESTRANHO , E COMO É DIFÍCIL TIRARMOS NOSSAS VENDAS PARA ENXERGARMOS ALÉM….

  2. Spoiler….. me conta o desenrolar da história me conta o final ….kkk
    Por incrível que pareça acho que sou a única no mundo, mas amo saber tudo do livro ou filme pra depois ver se vou ver ou não

    • (spoiler a frente – por sua conta em risco)

      Na segunda parte da história, a protagonista recebe uma ligação de um homem responsável por um centro de acolhimento (é por isso que, no primeiro capítulo, ela está fazendo a viagem de barco). Ela e as crianças obtêm sucesso, chegam ao local e passam a viver lá.

    • Não é revelado, o que incomodou muita gente, mas que para mim foi demais. Os próprios personagens não tinham como descobrir quem era o “monstro (não sabemos) já que se o visse morreriam. Apenas escutavam e sentiam, isso vai da sua interpretação. leia, o final é espetacular se olhado pelo ponto de vista certo, não vai se arrepender.

  3. ( Spoiler talvez )

    Gostei muito desse livro. É envolvente e assustador, e confesso que não consigo ler ele a noite.
    Mas eu acredito que as criaturas eram ,na verdade, um simples reflexo do que supostamente mais tememos… Nós mesmos.

  4. Spoiler a frente …
    Na vdd na página 237 fala que Olympia fica loca e que ela vê as criaturas e ela fala bem assim
    -Eles parecem Lobos – chora Olympia-parecem Lobos
    Isso quer dizer que as tais criaturas parecem com Lobos mas eu acho que isso vai da Imaginação de cada pessoa porque isso é tipo um jeito que eles parecem mas o que eles Realmente são o que vem na sua mente e a sua criatividade.

  5. Livro envolvente, com certeza. Um suspense, uma vontade de saber o que vai acontecer. Legal o vai e volta da narração. Acho que abriu caminho para um “Box Bird II”. Vamos aguardar o filme.

  6. Quando a Olympia fala que eles parecem lobos, se refere ao pessoal transtornado no andar de baixo apos verem a criatura.nesse momento a porta do sótão esta trancada. Quando ela vê a criatura ela diz “vc é linda” “nao ha nada de errado com vc” e oferece a bebê dela.

COMENTAR