Correspondente Inglaterra | Mulherio das Letras Europa

0
1470

“Como água entre as pedras, caçamos jeito”

 MULHERIO DAS LETRAS EUROPA

Num belíssimo texto, na Revista Premium, ed.44, Ana Adelaide Peixoto apresenta o Mulherio das Letras citando uma passagem de Virginia Woolf quando, ao ser convidada para uma palestra sobre “Mulheres e a Ficção”, a escritora se senta à margem de um rio para refletir sobre o tema.

No instante da minha leitura desse trecho do artigo, me veio à mente as palavras do poeta Manoel de Barros:  “Quem anda nos trilhos é trem de ferro, sou água que corre entre as pedras: liberdade caça jeito.” (Manoel de Barros).

O texto de Ana Adelaide se refere ao Mulherio das Letras, coletivo/movimento que teve início há alguns anos no Brasil, a partir de conversas informais incentivadas/alimentadas pela escritora Maria Valéria Rezende.  Nascia, então, o I Encontro Nacional do Mulherio das Letras, evento que reuniu mais de 500 mulheres em João Pessoa (PB), em outubro passado. O movimento reúne mais de 5.000 mulheres em uma página do facebook.

Aqui na Europa, a partir de uma conversa entre eu (Sonia Palma, Inglaterra) e as escritoras Danielli Cavalcante (Dinamarca) e Ilana Eleá (Estocolmo), entramos em contato com Maria Valéria Rezende, falando de nosso desejo em criarmos o grupo MULHERIO DAS LETRAS EUROPA. E, a partir das palavras de acolhimento dela, assim o fizemos! Atualmente, temos a adesão de mais de 250 mulheres, brasileiras ou não, mas que têm em comum a escrita na Língua Portuguesa. Para além da Europa, nosso coletivo se amplia a cada dia e já temos participantes do Japão, de Israel, de países da África…

E é no intuito do pensar os próximos passos, do encontro, do “conhecermos umas às outras” que o MULHERIO DAS LETRAS EUROPA se reúne em Paris, no Alter’Brasilis, sábado dia 25 de novembro às 15h, convidando o público para um café pluricultural e um sarau literário destinados às crianças e adultos, com apresentação de livros e leitura de textos.

O sarau será seguido de uma “Mesa de Conversa” com: Else R.P. Vieira, que falará sobre “Escritoras brasileiras no exterior: um fenômeno”; Mazé Torquato – “I Encontro Nacional do Mulherio das Letras em João Pessoa” ; e Sonia Palma – “O Mulherio das Letras na Europa: um elo do Mulherio das Letras do Brasil”.

As escritoras que confirmaram presença para o sarau literário são:

Eliana Bueno-Ribeiro (Paris, França) autora/tradutora/ pesquisadora
“Contos de Perrault”.
Fátima Nascimento (Munique, Alemanha) autora infantil:
“Alba, a Vitória Régia”; “O Espírito do Natal” (no prelo); e “Minha Baianidade Nagô”.
Ivna Chedier Maluly Garach (Lyon, França) autora/tradutora infantil:
“Cadê seu peito, mamãe?”, “Gabriel e a Fraldinha”, “Maria Luiza e a Banheirinha” e “O samba faz 100 anos” (projeto do Conselho de Cidadania de Bruxelas e do Luxemburgo).
Viviane Fuentes (Marcoussis, França) –redatora/escritora/poeta:
“Contos Neuróticos” – projeto, coletânea de contos bilíngue, em Português e Francês.
Manuella Bezerra de Melo (Braga, Portugal) jornalista/poeta/escritora:
“Desanônima”
Telma Brites Alves ( Bornheim-Sechtem, Alemanha) escritora/romance:
“Gaia a Roda da Vida”;
Sonia Palma (Nuneaton- Inglaterra) autora/pesquisadora:
“Educação Ambiental, Poética e Fenomenologia” (2015); “Diesel foi Morar no Jardim” (2015); e “As Descobertas de Amana nas Matas de Utiariti” (projeto de divulgação da língua e cultura brasileira no exterior – 2017).
Mazé Torquato Chotil (Paris, França) autora / pesquisadora:
“Lembranças da vila”; “Lembranças do sitio”; “Minha aventura na colonização do Oeste”; Trabalhadores exilados (1964-1985)”; “Minha Paris Brasileira”.

A ideia inicial era o de um encontro informal, a exemplo do formato do encontro do Mulherio em João Pessoa. Eu e a escritora Fátima Nascimento sonhamos um café, uma roda de conversa, onde pudéssemos “desenhar” nosso coletivo aqui da Europa de forma mais concreta, para fins de ações futuras. Mas a vida na diáspora tem suas particularidades e algumas participações pediram um evento com desenho mais formal, que justificasse seus deslocamentos de outros países para a França. E, assim, fomos construindo nosso encontro: Mazé Torquato “abraçou” a ideia e nos ofereceu o espaço do Alter’Brasilis, em Paris; a partir de um desenho, feito à mão, fiz a arte da logo para o cartaz e folders do evento; A FAFALAG Verlag Editora patrocinou o material impresso; toda a programação foi sugerida pelo Mulherio da Letras Europa, a partir de enquete da página do grupo, com significante contribuição da Manuella Bezerra de Mello; a divulgação tem a participação coletiva, feita pelas participantes do evento: em jornais, revistas eletrônicas, blogs, embaixadas brasileiras no exterior e diversas páginas da internet.

Enfim, faço uma analogia às palavras de Manoel de Barros para dizer que, contra todos os meios que inviabilizam a produção escrita feminina, nós, Mulherio das Letras Europa, somos

“Como água entre as pedras, caçamos jeito”

Sonia Palma,  Nuneaton (UK), 21 de novembro de 2017

COMENTAR