A Crônica do Matador do Rei | Saga ganhará filme, seriado e jogos

Leia a tradução completa da publicação de Patrick Rothfuss

5
3102

É oficial! A série literária A Crônica do Matador do Rei terá filme, seriado e jogos. O anúncio foi feito diretamente no blog do escritor Patrick Rothfuss.

No exterior a série literária conta com dois volumes publicados e o terceiro, The Doors of Stone ainda não tem previsão de lançamento. No Brasil os dois volumes também já foram publicados pela editora Arqueiro: O Nome do Vento e O Temor do Sábio.

O Nome do Vento - Patrick RothfussO Temor do Sábio - Patrick Rothfuss

Abaixo segue a postagem com tradução feita pelo leitor Ricardo Ianelli.

NOTÍCIAS DE HOLYWOOD

Como muitos de vocês sabem, alguns dias antes da San Diego Comic-Con este ano, os direitos sobre meus livros expiraram.

O que isso significa é que anos atrás eu vendi para algumas pessoas os direitos para fazer um show de TV baseado em A Crônica do Matador do Rei. Eles tentaram fazer acontecer, contudo, não funcionou. Então, quando os direitos expiraram, os mesmos voltaram para mim.

Apenas para que vocês saibam, tais coisas acontecem o tempo todo. A vasta maioria das coisas que tem seus direitos comprados para adaptações nunca são feitas. Do mesmo jeito que muitas pessoas que pensam em escrever um livro nunca conseguem publicá-lo. Merdas acontecem. Pessoas perdem o interesse. Coisas ficam complicadas. Projetos perdem “seu momento”.

Eu não tenho estatísticas certinhas, mas apostaria um dólar que mais de 98% de todos os livros que tem seus direitos vendidos acabam desta forma, sem uma adaptação de TV ou filme ou qualquer outra coisa acontecendo.

De qualquer forma, meus direitos foram revertidos. E isso não foi um choque para mim.

Isto, ao contrário, foi uma surpresa:

“(10/07/2015) – Comic-Con: Romance “O Nome do Vento” cria guerra acirrada de ofertas.”

Como de repente todos estavam interessados nos livros, passei a maior parte da Comic-Con tendo encontros com representantes de cada grande “poder Hollywoodiano”. Pelo menos foi o que pareceu pra mim. Foi uma experiência estranha, e eu conversei sobre isso em detalhes no episódio “Untitled Rothfuss podcast that Max and I recorded out at the convention.”

Dizer que eu não sabia o que estava fazendo nesses encontros é um pouco de eufemismo. Na verdade, eu me lembro de começar vários encontros dizendo: “Eu não faço idéia do que eu devo fazer nessa reunião”. Eu também me lembro vagamente de explicar a alguém que não há maneira alguma de transformar O Nome do Vento em um filme. Eu expliquei isto direitinho por mais ou menos 20 minutos. Eu tenho certeza que isso é algo bem “alto” numa lista de coisas que você não deveria fazer em uma reunião com alguém que quer transformar seu livro em filme.

Foi divertido, no entanto. É bom ser desejado. Por um curto momento eu era a garota mais bonita da festa e todo mundo quis dançar comigo. (Apenas leitores frequentes do blog podem apreciar o quão limpa eu mantive essa analogia.)

As reuniões não foram estressantes por uma razão simples: Eu não estava interessado em transformar meus livros em filmes. Eu sei que para vários autores um acordo para filme é como se fosse um santo graal. É dinheiro fácil. E se o filme for feito? Bem, então você ganha caminhões de dinheiro, baldes de fama, e seus livros ficam na lista de bestsellers por um tempo. Geralmente um longo, LONGO tempo.

Mas honestamente? Dinheiro nunca foi um grande motivador pra mim. E meus livros já vendem bem. E eu já sou mais celebridade do que estou confortável.

Mais importante, porém, é que sinceramente eu nunca fui interessado em um acordo de filme. Praticamente todos os filmes de fantasia criados até agora foram filmes de ação, ou com o enredo centrado, ou ambos. E meus livros não são assim. Meus livros são sobre personagens. Eles são sobre segredos e mistérios e as coisas escondidas do mundo. Meus livros são sobre antecipação. E um filme, mesmo que um filme longo, simplesmente não tem tempo suficiente para encaixar todas as coisas. Por isso minha ideia inicial era para uma série de TV. Eu queria espaço para a história respirar.

Então, quando eu encontrei estas pessoas de estudios de filmes, contei a elas que não estava terrivelmente interessado em um acordo para filme. Não querendo ser um idiota, mas eu queria ser sincero com eles. Estou feliz de ter estes encontros, falar sobre histórias, ouvir discursos… Como eu disse, é divertido ser desejado. E é legal que vocês achem meus livros bonitos. Vamos dançar. Mas eu eu queria que eles soubessem que eu não iria pular na cama com ninguém. (Droga, eu sabia que essa analogia iria acabar aparecendo alguma hora.)

Havia uma exceção, contudo. Quando eu encontrei com a Lionsgate, eu disse: “Se vocês virem para mim com uma oferta de filme, vai ser uma oferta bem difícil de vender. Eu não estou interessado em filmes por si só. Mas vocês parecem ser diferentes da maioria dos outros estúdios. Esses caras são gigantes. Sólidos. Mas vocês são mais ágeis e inovadores. Seu pessoal dos filmes e da TV se conhecem. Eles podem trabalhar juntos. Dividir recursos.”

E continuei: “Se vocês vierem para mim com um discurso envolvendo uma série de TV e um filme, eu escutaria. Eu escutaria direitinho, porque algo assim nos permitiria fazer algo com grande orçamento enquanto ainda daria espaço para minha história respirar. Daria às pessoas a possibilidade de passar mais tempo no meu mundo. Eu não consigo pensar em ninguém que tenha realmente feito isso, mas parece que poderiamos aproveitar o melhor dos dois mundos dessa forma. E parece, pra mim, que vocês são os únicos que conseguiriam realmente fazer algo desse tipo.”

É. Eu sou de uma pequena cidade de Wisconsin. Mas não sou estúpido. E é impossível ter 15 horas de encontros com o pessoal de Hollywood sem aprender algumas coisinhas sobre quem é quem e como o mundo funciona.

Mas em última análise, eu estava dando um tiro na minha boca e sabia disso. Eu estava tomando muito cafeína e tendo pouco sono, mas ainda assim percebi que estava dizendo algo como: “Eu vejo que vocês estão me oferecendo a lua, mas eu realmente queria a lua e um bolo de chocolate com cobertura de ouro sólido. E vocês teriam de fazer o bolo do inicio.”

Então a Comic-Con terminou. Eu fui para casa. Minha carruagem se transformou de volta em abóbora e meu belo vestido se transformou de volta em minha camiseta nerd e minha bermuda cargo batida. O que provavelmente foi o melhor, já que não sou muito bom em reuniões importantes e danças. Sou barbudo demais para ser uma princesa.

Fim.

* * *

Então Lionsgate entrou em contato. “Sobre aquela coisa de Série-de-TV-e-Filme que você mencionou”, eles disseram, “Se a gente vai fazer um acordo para algo como uma grande narrativa interligada e multiplataforma baseada nos seus livros, não faria mais sentido fazer um jogo de videogame junto com a série de TV e os filmes? Porque sério, por que não deveríamos fazer um videogame também?” (Estou parafraseando um pouco aqui para vocês entenderem.)

Eu disse: “O que?”

* * *

Desde então, estive conversando com a Lionsgate bastante. Indo a reuniões. Tendo conversas sérias.

E quando eu digo “Eu tenho conversado com a Lionsgate” eu quero dizer “Eu e minha habilidosa equipe conhecedora de filmes que vivem disso e alguns deles são advogados de olhar duro e poderosos.” Porque como eu disse, eu sou de uma pequena cidade de Wisconsin mas não sou estúpido.

E eu vou ser honesto com vocês. Desde o primeiro momento em que sentei na mesa, estava preparado para sair correndo. Eu gostei do jeito que a Lionsgate estava sonhando grande comigo sobre adaptar meu livros. Eles estavam dispostos a pensar fora da caixa. Estavam dispostos a fazer uma caixa novinha só pra que a gente encaixasse direitinho.

Mas… bem… Hollywood é assustadora. Os contratos são, para ser honesto, horripilantes. E a diferença de poder é imensa. Até os estúdios mais pequenos são mais poderosos que alguns países. E mesmo o maior autor de todos não é lá grande coisa.

Então sim, pode parecer bobo, mas desde o começo do processo eu estava querendo pular fora do acordo. Eu quase procurava por uma desculpa para fazer isso, porque a vida é curta demais. Eu não queria ganhar um saco de dinheiro e um tapinha nas costas e passar os próximos três anos vendo meus livros serem molestados sem poder fazer nada.

Então começamos a negociar, e foi aí que recebi a maior surpresa de todas.

Você vê, eu nunca esperaria que um estúdio me tratasse como um ser humano. Mas, durante todo o processo, Lionsgate me tratou com um respeito incrível. Eu fiz pedidos que me pareceram razoáveis e eles responderam a eles… razoavelmente. E eu não estou falando sobre apenas palavras bonitinhas aqui, eles estão fazendo acordos e contratos me dando controle das coisas. Eles não estão sendo apenas razoáveis, estão sendo gentis e compreensivos.

Para ser perfeitamente honesto, é um pouco desconcertante. Eu nunca esperaria que um estúdio de Hollywood fosse me tratar como um ser humano. Me deixar trabalhar como um parceiro criativo e respeitar o fato de que eu sei sim bastante sobre como as histórias funcionam. Esta história em particular.

Então… sim. Esta é a notícia. Eu e eles, nós vamos fazer algo.

Lionsgate está fazendo sua própria conferência de imprensa hoje e vão haver histórias de todos os jeitos sobre as novidades de Hollywood bem em breve. E não é uma coincidência que meu blog está lançando isso no exato mesmo dia que o grande anuncio deles. Na mesma hora, inclusive. Lionsgate coordenou comigo para que eu pudesse compartilhar estas noticias no meu blog no mesmo momento em que eles lançam a história deles.

Isto foi tão importante para mim porque se você lê meu blog ou me segue nas mídias sociais… bem… você é parte da razão pela qual meus livros são grande coisa. E muitos de vocês são parte do meu time por anos, e eu queria a chance de contar para vocês sobre esta noticia eu mesmo ao invés de vocês ouvirem isso pelas ruas.

O fato de Lionsgate me deixar lançar isto aqui no blog simultaneamente com a conferência de imprensa deles é outro bom sinal, em minha opinião. Isto mostra que eles me respeitam, e mostra que respeitam vocês também.

Agora eu sei que alguns de vocês vai estar lendo isto com medo em seus corações. Vocês vão se preocupar sobre eles estragarem tudo. Eu entendo. Eu sei que vocês amam esses livros.

Mas acredite quando eu digo isso: Vocês não amam mais estes livros do que eu amo. Você não poderia gostar mais deles do que eu gosto. Eu coloquei vinte anos da minha vida neles. Eles caminham ao lado do meu coração. Eles são parte tangível da minha alma.

Eu não sou estúpido. Eu acredito que a este ponto vocês já me conhecem o suficiente para confiarem em mim e saberem que eu não vou me apressar em… bem… nada. Se eu aceitei um acordo assim, é apenas porque eu realmente acho que existe uma chance de fazer algo realmente lindo.

Eu vou falar mais sobre isso aqui no blog mais tarde. Eu responderei perguntas e explicarei as coisas com mais detalhes.

Depois. Farei isso tudo depois.

Por agora, apenas pelos próximos dias, que tal apenas ficarmos excitados com isto? Teremos bastante tempo para causar estardalhaço e nos preocupar nos próximos dias, mas por agora, não vamos nos preocupar. Por agora, vamos apenas passar um tempo sendo nerds felizes, excitados com o pensamento de ver a Eólica e a Artificiaria. Existem algumas cenas que eu amaria ver em outro lugar além da minha própria mente.

E acredito que existem algumas cenas que todos vocês gostariam de ver também.

Vejo vocês depois, Cowboys do espaço,

Pat

5 COMENTÁRIOS

COMENTAR