Resenha: O Teorema Katherine – John Green

0
307

“O mundo está de pernas para o ar. Adoro. É como se estivéssemos num globo de neve e Deus resolvesse querer uma nevasca, então ele nos dá uma fugging sacudida. ”

Olá leitores do Sobre Livros! Confesso que quando alguém me indicou O Teorema Katherine, logo imaginei que se tratava de um livro adulto. Isso porque ao me falarem que um cara teve 19 ex namoradas, independente do nome… bom… ele precisaria de uns bons anos para atingir essa marca.

Mas eu estava tremendamente errada. O Teorema apresenta a história do Colin, um garoto que acaba de se formar no Ensino Médio e que está de coração partido. Sua família e seu melhor – e único – amigo Hassan estão preocupados e com motivo.

Colin é considerado um prodígio. Que é diferente de gênio, deixe-me acrescentar. Prodígio porque ele ainda não criou nada – como um gênio faz – ele apenas aprende as coisas muito rápido. E isso o incomoda bastante, porque ele tem muito medo de não fazer nada grandioso. Toda sua vida ele recebeu destaque pela sua aptidão intelectual, mas é fato que os gênios têm seus momentos “Eureca!” – aquele momento que eles criam ou descobrem algo muito importante – bem novos, e o tempo de Colin está passando.

Nos últimos tempos ele está obcecado em atingir seu momento “Eureca”, pois ele teme muito o dia que ele será um ex prodígio. E não ajuda o fato de sua namorada ter acabado de terminar com ele. Mas permita-me ressaltar: essa parte das namoradas do Colin é de longe a parte mais bizarra desse personagem.

Colin já namorou 19 Katherines. 19 garotas com o mesmo nome, grafado da mesma maneira. E cada uma delas terminou com ele. E ao contrário do que pensei inicialmente, ele não precisou de tanto tempo para colecionar suas Katherines, pois Colin contou inclusive aqueles namoros de infância que duram minutos. Seu namoro mais extenso foi com a Katherine XIX, o mais recente “pé na bunda”.

Desesperado em ser importante e ter sua amada Katherine XIX de volta, Colin é surpreendido com uma missão de resgate inusitada. Hassan decide que ao invés de trabalharem durante as férias e se prepararem para entrar na faculdade, eles deveriam fazer uma viagem. Simplesmente colocar as malas no carro – chamado de Rabecão de Satã – e sair pela estrada, sem destino determinado.

E é a partir deste momento, em que Colin se permite sair de sua zona de conforto que começa a nossa diversão!

“Só que as mães mentem. Está na descrição do cargo delas. ”

Estaria mentindo para vocês se não avisasse que engasguei de tanto rir inúmeras vezes enquanto lia. Os vizinhos devem ter achado que eu era maluca… mas caramba, John Green é genial!

Opa! Não tinha mencionado ainda que o livro foi escrito pelo “João Verde”, né?!? Pois é… O Teorema Katherine foi escrito pelo norte americano John Green, que atualmente está na lista das pessoas mais influentes da Forbes. Green também é autor dos incríveis A Culpa é das Estrelas, Cidades de Papel, Quem é você, Alasca? e Tartarugas até lá embaixo. E se você leu algum desses outros títulos, acalme seu coração, pois O Teorema não é tão dramático quanto eles. E acho que é por isso que o Teorema se tornou meu favorito, todo o humor que percebemos nos outros títulos que é usado como fôlego para as cenas dramáticas, em Teorema rola solto, tornando a leitura fluída e engraçadíssima.

As confusões que Colin e Hassan se envolvem são hilárias, e um ponto forte do livro é o próprio personagem Hassan. Imaginem ser melhores amigos de um menino prodígio. Imaginaram? Hassan é um verdadeiro consultor de “como ser legal com as pessoas” para o amigo. Colin não sabe lidar com as pessoas, não percebe que a maioria das coisas que acha interessante é um tédio para as pessoas normais, e cabe ao Hassan orientá-lo. Os diálogos dos dois me deram cólicas de tanto rir. Hassan é INCRÍVEL.

E apesar de Colin ter a fama de chato, acabei que me identifiquei com o personagem. Entendi suas razões dele ser como é, além do fato de que só estava precisando sair da zona de conforto dele.

A capa do livro é simples, mas traz elementos do livro. A edição da Intrínseca está excelente. Ponto positivo também para a forma como o livro vai trazendo os relatos de como aconteceram os 19 namoros de Colin – uma espécie de flashback, durante toda a narrativa, que se difere do restante do texto pelo título.

E não poderia deixar de falar das notas de rodapé. Normalmente elas me irritam, pois você precisa perder o ritmo da leitura para se concentrar em uma informação no rodapé. Mas no caso de O Teorema Katherine isso não acontece. As notas de rodapé foram brilhantemente planejadas e dão sequência a linha de raciocínio do parágrafo do qual se refere. E essas notas trazem coisas ainda mais engraçadas que o próprio texto! Então por favor: não se esqueçam de ler todas as notas de rodapé e na sequencia que elas foram apontadas, ok?

Ah… e antes que eu esqueça: a matemática presente no livro é tranquila. Não se acanhe com isso. Green explica tudo de forma muito fluída e principalmente, a matemática empregada faz sentido na narrativa. O autor pediu ajuda a um amigo matemático para deixar as fórmulas plausíveis e no final do texto tem explicações excelentes sobre elas – que você poderá ler ou não.

Indico o livro para pessoas que estão procurando um livro bem humorado, leve e fluído. Mas cuidado! Você vai acabar se apaixonando pelo Colin e o Hassan…

 “Eu serei esquecido, mas as histórias ficarão. Então, nós todos somos importantes – talvez menos do que mito, mas sempre mais do que nada.”

COMPARTILHAR
Artigo AnteriorQuem é você, Alasca? | Série inspirada em livro de John Green ganha elenco
Próximo ArtigoResenha: Torre do Alvorecer – Sarah J. Maas
Laila Ribeiro é mestra em Escrita Criativa pela PUCRS; pós-graduada em Gestão Empresarial, em Gestão Pública e MBA em Gestão de Recursos Humanos; graduada em História pela PUC Minas (2014) e em Administração Geral e Agroindustrial pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2007). Atualmente, é membro da equipe do site literário Sobre Livros (www.sobrelivros.com.br), e mantém o canal literário https://www.youtube.com/c/ribeirolaila. Participou de antologias de contos (Insanas - Elas Matam!, Onisciente Contemporâneo, Translações Singulares e Não Culpe o Narrador) e, em 2016, foi monitora da Oficina de Criação Literária do professor e escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

COMENTAR