Resenha: Leah Fora de Sintonia – Becky Albertalli

0
430

Olá leitores do Sobre Livros! No começo de 2018 eu li o incrível “Simon vs. a agenda Homo Sapiens” e me apaixonei pela história, então não é de se espantar que eu tenha ficado curiosíssima pelo segundo volume da série, “Leah fora de sintonia”. Não titubeei quando a Intrínseca ofereceu um exemplar, e corri para a leitura. Pena que tenha me decepcionado…

A autora é a Becky Albertalli que trabalhou como psicóloga e orientadora de um grupo de apoio em Washington para crianças e jovens com não conformidade de gênero. Ela mora em Atlanta com o marido e dois filhos.

Leah fora de sintonia é uma narrativa em primeira pessoa, com o focalizador na Leah, melhor amiga do personagem Simon – narrador e protagonista do primeiro volume. A trama se abre depois dos acontecimentos de “Simon vs. a agenda Homo Sapiens”.

Na narrativa, encontramos uma narradora com humor ácido e sarcástico, e diversas vezes esse mau humor é engraçado. Acompanhamos enquanto Leah se ajusta as novidades de sua vida, além de se preparar para sua formatura e consequente entrada na faculdade.

Durante a leitura, vamos percebendo que a postura da protagonista é um mecanismo de defesa para as mudanças, além de uma pitada de orgulho. Leah muitas vezes dificulta as coisas para si mesma apenas por não aceitar ajuda.

Estou com dificuldade de explorar mais a trama com vocês, e posso afirmar que esse é um dos problemas que encontrei na narrativa: a falta de um argumento bem delineado. Simplesmente acompanhamos alguns momentos da personagem, sem que a escritora determinasse uma verdadeira transformação da personagem.

No primeiro volume, logo se percebe que a autora planejou toda uma estrutura para a narrativa, nos brindando com uma história envolvente e consistente. No segundo volume isso não acontece. A sensação transmitida é que a autora tinha um bom grupo de personagens, e como o primeiro volume vendeu bem, ela resolveu estender a história em uma série, sem se preparar adequadamente.

Posso estar enganada, mas acredito que a escritora não planejou esse segundo volume. Ele foi criado a partir da necessidade do mercado. E isso, muitas vezes, pode ser um tiro no pé do autor. A chance de um segundo volume emplacar como o primeiro, sem um planejamento adequado, é bem pequena.

Apesar disso, acabei sim me divertindo com o livro. A autora tem uma escrita fluída e seus personagens são interessantes, e o incômodo surgiu apenas no final, quando me deparei questionando a necessidade deste segundo volume.

Não sei se há previsão de um terceiro volume, mas confesso que não me empolgo com a ideia. Por mais que fique curiosa para saber como os personagens estão se virando na faculdade, não me animo a enveredar por mais páginas sem qualquer acréscimo real a trama.

A edição da Intrínseca tem folhas amareladas, confortáveis para leitura. A revisão foi bem feita e todo início de capítulo tem sua página decorada. Gostei muito da capa, que mostra exatamente a Leah que imaginei enquanto lia.

Indico a leitura para aqueles que se apaixonaram por “Com amor, Simon” e que querem permanecer nesse universo criado pela Becky Albertalli. Boa leitura!

COMENTAR