Resenha: A Torre Acima do Véu – Roberta Spindler

0
555

Olá leitores do Sobre Livros! Já imaginaram um mundo pós-apocaliptico em que a humanidade foi obrigada a sobreviver no alto de arranha-céus? Confesso que já sonhei com algo parecido, e quando conferi a sinopse do livro A Torre Acima do Véu fui tomada por uma curiosidade avassaladora.

A Torre Acima do Véu foi escrito pela brasileira Roberta Spindler, que se graduou em Publicidade e além de escritora, trabalha com edição de vídeos. É coautora do romance Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos e o recém publicado “Heróis De Novigrath“.

No futuro, uma névoa espessa toma conta do nosso mundo e o contato com essa estranha aparição torna-se mortal para as pessoas. A névoa tóxica invade tudo, desolando a vida como a conhecemos. Para sobreviver, a humanidade precisou subir para os prédios mais altos, ficando acima da névoa. Não houve tempo hábil para evacuação, sobreviveram os mais rápidos a subirem.

A primeira personagem que conhecemos nessa narrativa sombria é Beca, uma saltadora. Beca, seu irmão e pai adotivos compõe uma empresa que ajuda os sobreviventes a encontrarem itens necessários para a manutenção da vida.

Vejam bem, as pessoas precisam de água, comida, vestuário e proteção. E após os primeiros anos de caos, uma ordem é estabelecida pela Torre. Os homens liderados por Faysal reorganizaram a vida da cidade de Rio-Aires da melhor maneira possível, oferecendo também proteção contra os mutantes transformados pelo contato com a névoa.

Beca e sua família oferecem aos sobreviventes itens mais específicos que a Torre não tem tempo para ajudar. Não existe uma animosidade entre os dois, mas só até Beca atravessar o caminho da Torre.

Em busca de uma fonte de energia, Beca dá um mergulho certeiro de um megaedifício. Outra implicação da névoa é a modificação genética – nos seres que conseguem habitar dentro da névoa as mudanças são radicais, mas como no caso de Beca, as mudanças podem ser positivas. Beca tem uma habilidade fora do comum de se equilibrar, saltar, se esquivar… seus reflexos são mais ágeis e precisos.

Com essa habilidade, Beca é a pessoa perfeita para ir mais baixo nos andares dos megaedifícios e encontrar itens necessários. E em uma dessas buscas, Beca irá se surpreender, pois encontrará companhias bem desagradáveis.

Que emoção! Li o livro de um fôlego só! O universo proposto é muito interessante, apesar de ter despertado curiosidade sobre certos aspectos da vida cotidiana no topo dos megaedifícios e que não foram respondidas no livro. A narrativa é deliciosa, prende o leitor até a última linha.

Apreciei o desenvolvimento dos personagens e da história. A autora tem material suficiente para escrever uma continuação, na verdade, eu gostaria muito de uma continuação, afinal eu realmente PRECISO de algumas respostas…

A edição está agradável. Folhas amarelas e diagramação confortável. Encontrei poucos problemas com a revisão.

Indico a leitura do livro para quem gosta de livros pós-apocalipticos, de distopias, de ação e aventura! Boa leitura!

“Por você, Nikolai poderia voltar a viver”.

COMPARTILHAR
Artigo AnteriorResenha: PDM – Stephen Wallenfells
Próximo ArtigoResenha: Laços de Sangue – Richelle Mead
Laila Ribeiro é mestra em Escrita Criativa pela PUCRS; pós-graduada em Gestão Empresarial, em Gestão Pública e MBA em Gestão de Recursos Humanos; graduada em História pela PUC Minas (2014) e em Administração Geral e Agroindustrial pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2007). Atualmente, é membro da equipe do site literário Sobre Livros (www.sobrelivros.com.br), e mantém o canal literário https://www.youtube.com/c/ribeirolaila. Participou de antologias de contos (Insanas - Elas Matam!, Onisciente Contemporâneo, Translações Singulares e Não Culpe o Narrador) e, em 2016, foi monitora da Oficina de Criação Literária do professor e escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

COMENTAR