Oito mulheres e um segredo | Crítica

0
307

Ficha técnica:

Oito mulheres e um segredo

Título original: Ocean´s eight

Distribuidora: Warner Bros.

Direção: Gary Ross

Elenco: Sandra Bullock, Cate Blanchett, Anne Hathaway, Mindy Kaling, Awkwafina, Sarah Paulson, Rihana, Helena Bonham Carter.

Estreia: 07 de junho de 2018

Sinopse: Recém-saída da prisão, Debbie Ocean (Sandra Bullock) planeja executar o assalto do século em pleno Met Gala, em Nova York, com o apoio de Lou (Cate Blanchett), Nine Ball (Rihanna), Amita (Mindy Kaling), Constance (Awkwafina), Rose (Helena Bonham Carter), Daphne Kluger (Anne Hathaway) e Tammy (Sarah Paulson).

Nessa obra maravilhosa com produção executiva da própria Sandra Bullock vemos um spin-off de Onze homens e um segredo. E que história, caros leitores!

Ver a reunião de grandiosas atrizes com os novos rostos do cinema americano foi divertido, envolvente, empolgante e sexy sem ser vulgar (rs).

Sandra Bullock arrasa não só como produtora. Foi impecável em sua atuação como Debbie Ocean. Palmas também para suas 7 “cúmplices” em especial a Rihanna que tirando o rostinho já tão conhecido ficou irreconhecível com todos aqueles dreads e sua veia hacker. E quem diria Helena Bonham Carter tão inesquecível como a cruel Bellatrix Lestrange fazendo o papel de  uma estilista transtornada, com um bloqueio criativo e um péssimo traquejo social.

Uma coisa é fato sobre filmes nesse estilo: já esperamos por um elemento surpresa que vai nos deixar de queixo caído no final do filme. Isso aconteceu nos filmes da franquia com Danny Ocean e não seria diferente nesse. O negócio é esperar para ficar de queixo caído quando você menos espera e acha que tudo já aconteceu. É nesse momento que a magia acontece. Os protagonistas são sempre geniais e, antes que você pergunte como ele vai sair ou resolver determinada situação ele já tem a resposta pronta e tudo se resolve da forma mais “uau”possível.

Não há como não sair do cinema sem se sentir pelo menos um pouco contaminada com toda a adrenalina que o filme nos passa. Ou com a sensação de que podemos alcançar o quiser com o poder feminino (ou o poder de convencimento ou de se ludibriar uma pessoa), é contagiante!

A trilha sonora é um caso à parte e merece a criação de uma play list específica para ouvir a semana inteira renovando e relembrando a empolgação sentida ao longo do filme.

Me deu até vontade de rever os filmes com Danny Ocean e cia e já estou torcendo para que a história de Debbie também tenha uma continuação.

Assistam ao trailer!

COMENTAR