Dumplin’ – Livro x filme

0
1477

Direção: Anne Fletcher

Roteiro: Kristin Hahn

Elenco: Jennifer Aniston, Danielle Macdonald, Luke Benward, Odeya Rush, Bex Taylor-Klaus, Dove Cameron, Harold Perrineau Jr., Maddie Baillio.

Gênero: comédia romântica

Há muito tempo não venho falar de adaptação propriamente dita aqui no Sobre Livros. Saudades! 2019 promete ser um ano muito melhor em relação às minhas leituras/filmes de adaptações, de modo que pretendo vir muito mais vezes dividir/compartilhar minhas impressões com vocês. E para começar venho falar sobre a primeira adaptação que assisti em 2019: Dumplin’!

Adaptação do livro homônimo da autora Julie Murphy o filme foi inicialmente lançado apenas na Netflix internacional em 07/12/2018. Quando fiquei sabendo da notícia fiquei muito chateada. Foi um dos livros que mais curti em 2018 e não poder ver a adaptação foi uma decepção.

Até que, sem querer, pesquisando algo totalmente aleatório no Google na semana passada descobri que, no dia 08.02.2019 o filme foi liberado também na Netflix aqui do Brasil. Claro que corri para assistir.

E então, a verdade é que, pelo menos em relação ao final eu gostei mais do filme que do livro. Em relação a todo o resto minha opinião se dividiu entre amar a Jennifer Aniston como a mãe da Willowdean, curtir bastante a Danielle Mcdonald no papel de Will, apesar de, na minha imaginação ela se parecer mais com a atriz que interpretou a Millie (Maddie Baillio) e de ficar totalmente decepcionada com a forma com que colocaram Bo no contexto.

No livro o considerei parte importante e de destaque no momento em que a vida de Will começou a mudar. A tia morreu, ela estava cansada de ver sua mãe idolatrando a magreza e só falando do concurso de beleza, estava descobrindo o amor. E Bo apareceu e teve uma excelente participação em sua vida, em especial nessa ultima parte. Há um motivo para ele ser ranzinza e ficar praticamente o tempo todo com um pirulito na boca. Contudo, se você apenas assistiu ao filme ficou totalmente alheio a todos esses detalhes (importantes!).

Bo, então, ficou reduzido ao garoto que trabalha com Will, que lhe dá uma bola mágica e que chupa um pirulito o tempo todo (fazendo um charme (?)) e o relacionamento entre os dois ficou superficial e quase fora de contexto.

No mais, o filme ficou lindo, emocionante e a trilha sonora inteira com músicas da própria Dolly Parton, cantora que a Will aprendeu a amar desde novinha ficou super interessante! Adorei!

O filme ainda traz uma mensagem importante sobre como devemos nos aceitar e nos amar como nós somos, de achar que é errado não ser magro, como se apenas as pessoas magras fossem bonitas e interessantes, trazendo, assim, uma discussão sobre padrões de beleza. Há também uma mensagem clara sobre amizade e amadurecimento.

Indico o filme, o livro afinal são duas obras que se complementam.

Assistam ao trailer!

COMENTAR