A Crônica do Matador do Rei | Teoria #1 – Kvothe, o Chandriano do silêncio

Teoria sobre a série A Crônica do Matador do Rei

1
10446

Numa busca por teorias na internet, encontrei uma enorme quantidade de material. Aqui vai uma das teorias que mais me impressionaram. Kvothe, O Chandriano do Silêncio. Lembrando que essa teoria não é minha, embora eu realmente quisesse reclamar seus créditos.

Sempre que eu puder estarei traduzindo mais teorias e trazendo para que o site debata e semeie suas opiniões. A quantidade e qualidade das teorias são realmente fantásticas.

Kvothe (dejan-delic)
Kvothe by dejan-delic http://dejan-delic.deviantart.com/art/Kvothe-433821594

***

“Quando o Cronista está tentando quebrar a resistência de Kvothe (primeiro livro), uma das frases que ele usa é “Algumas pessoas dizem que há um novo Chandriano, com cabelos vermelhos como o sangue que corre dentro dele.” Kvothe não responde com raiva, ou incredulidade, mas com quase uma aceitação limpa e clara. – Os fãs de verdade sabem a diferença.

Todos os Chandrianos tem seus sinais. O sinal de Kvothe deve ser o silêncio que permeia tudo ao seu redor. Há especulações de que o sinal de cada Chandriano é mais uma maldição daquela pessoa do que as pessoas ao seu redor. – No caso do Kvothe, o silêncio é a coisa mais torturante, porque não há musica no silêncio.

Nós não sabemos muito sobre o Chandriano, mas se acreditarmos na história de Skarpi sobre Lanre (Haliax), sabe-se que alguma coisa aconteceu com ele quando ele tentou e falhou em salvar Lyra, sua esposa. Skarpi disse que Lanre era diferente – Selitos indica que Lanre não podia morrer, ou pelo menos não podia permanecer morto.

Com isso vem a implicação de que “a porta da morte” está fechada para ele. Se expandirmos isso e dissermos que, para o Chandriano, todas as portas para escapar da loucura estão permanentemente fechadas, nós temos mais evidências de que Kvothe pode ter sido um Chandriano – Você deve ter percebido que o Kote nunca dorme. O Kvothe dormia, mas o Kote não. Nós vemos ele deitado na cama encarando o teto, quando todos estão dormindo, mas nós nunca vemos ele dormindo. Em uma passagem, Bast está assistindo a Kvothe dormindo. Acredito que Kvothe estava apenas num estado ócio ou descansando. Eu acho que nós podemos assumir que a porta do sono está fechada para Kote. Isso implicaria que as portas da morte, loucura, sono e esquecimento estão fechadas tanto para o Kote quanto para os membros do Chandriano.

O fato de que Kote está “esperando a morte” se alinha perfeitamente com os fatos acima. Se a porta da morte está fechada para ele, talvez ele queira escapar de alguma dor enorme que caiu sobre si. Talvez por ter perdido Denna, ou por uma série de eventos que o forçou a matar Sim (outra teoria enorme). Mas alguma coisa o traumatiza, e que o levou a abandonar algumas partes dele para trazer uma outra pessoa/personalidade – algo que pelo menos Lanre fez (o que o tornou em um Chandriano, em primeiro lugar).

Como ponto adicional, deixe-nos considerar qual é o propósito final de Haliax e dos outros Chandrianos. Baseado em tudo acima, um acervo enorme de conjecturas, eu acredito que o propósito final do Chandriano é destruir o mundo, assim acabando com suas vidas. Lanre, sabendo que não pode ser morto, nem mesmo por Selitos, decide que destruir o mundo é a solução para que ele finalmente morra. Pois se não há mundo, não há Lanre. Kvothe acaba não concordando com o resto do Chandriano nisso. Logo, o motivo de que Kvothe não está andando com o Chandriano é porque Kvothe não concorda com seu propósito. No entanto, Kvothe não pode escapar do que ele é agora.”

***

No exterior a série literária conta com dois volumes publicados e o terceiro, The Doors of Stone ainda não tem previsão de lançamento. No Brasil os dois volumes também já foram publicados pela editora Arqueiro: O Nome do Vento e O Temor do Sábio. Já são mais de 10 milhões de livros vendidos ao redor do mundo.

Vale lembrar ainda que são esperados adaptações cinematográficas e televisivas, além de jogos baseados no mundo ambientado em A Crônica do Matador do Rei.

1 COMENTÁRIO

  1. É uma teoria fascinante, embora não a nada que corrobore a afirmação que a porta do sono esta fechada pra ele, embora isso por si só não invalida ela…
    Mas já que estou aqui gostaria de deixar outra teoria…

    Spoiler Alert Spoiler Alert Spoiler Alert

    Um Silêncio em três partes.


    Bom, creio que aí se encontre a natureza do nosso Sem-Sangue preferido. Três livros para contar a história do silêncio de Kvothe. Pelo menos no “presente” ou (Tempo Zero “t=0” da narrativa)…
    Patrick Rothfuss já sinalizou que tem mais a contar sobre esse mundo, em entrevista ressente, que alias li aqui nesse site. Há muito a se contar sobre esse mundo sobre os Chandrianos e os Amyrs mas onde começar essa história?

    “Kvothe continuou, também sorrindo:
    ― Vejo que você está rindo. Muito bem. Em nome da simplicidade, presuma-mos que sou o centro da criação. Para isso, deixemos de lado inúmeras histórias maçantes: a ascensão e queda de impérios, as sagas de heroísmo, as baladas de amor trágico. Avancemos depressa para a única história que tem importância real. ― Seu sorriso se alargou. ― A minha.”

    Porém onde está o Silêncio? Os livros começam por ele, o silencio. Os prólogos que trazem o silêncio com protagonista do se vem adiante, mas nunca aparece até o fim da narrativa, do dia, de Kote. Então lá está novamente ele nosso herói? nosso vilão? o que ele é? ainda não foi dito, mas esta lá… O silêncio nos epílogos, prometendo contar sua história… Qual seria ela, se não a historia que levou no insensato musico a perder sua musica, nosso insensato arcanista a perder sua Simpatia, nosso nomeador perder o próprio Nome? Sim foi isso mesmo que eu “disse”, Kvothe “perdeu” seu nome. E este é o silêncio em T=0, por algum motivo depois de assassinar o rei, (que creio ser Ambrose, mas isso é outra teoria), que somos apresentados a ele, embora o próprio silencio nunca nos diga o seu nome…
    Por partes:

    “Kote abanou a cabeça.
    ― Isso faz muito tempo…
    ― Não faz nem dois anos― Protestou o escriba.
    ― …eu não sou quem eu era― continuou Kote, sem nenhuma pausa.
    ― E o que era exatamente?
    ― Kvothe― ele respondeu com simplicidade, recusando-se a ser levado a outras explicações.― Agora sou Kote.”

    O que pode ser o simples fato de ter deixado seu antigo eu para trás, que ele queria ser esquecido e se esquecer do passado. Sim isso é a leitura mais simples e provavelmente a “correta”. Mas ele é um nomeador, e o que é mais importante do que seu próprio nome? Sim Kvothe foi o nome que ele recebeu dos seu pais mas este não é o seu verdadeiro nome, porém por que ele o usaria nesse dialogo?

    Descobrimos adiante que Kvoth conhecia no mínimo dez nomes por conta dos anéis que usava em cada dedo das mãos; Embora só temos uma noção de que cada anel representa um nome devido as explicações de Elodin mas ele só falou de uma mão a direita ou primeira, sobre a segunda não há informações…
    Um dos anéis que ele tinha era de madeira, entretanto ele não conhece mais seu nome.

    “Depois de repor as chaves em sua caixa, tornou a posicionar as mãos nas laterais do baú,
    na mesma posição de antes.
    – Abra – disse entre dentes. – Abra, desgraçado. Edro.
    Puxou, retesando os ombros e as costas com o esforço.
    A tampa do baú não se mexeu.”

    Ou não tinha mais acesso a parte da sua mente que conhece esse nome ou não tem mais esse poder.
    Se isso não bastasse para crermos que ele já não possui o próprio nome, no primeiro livro quando o soldado que assalto o cronista, e fora possuído por um demônio, aparece na pousada Marco do Percurso, temos a cena em que Kote lança bebida nesse soldado e murmura algo como se estivesse fazendo um simpatia, mas nada acontece…

    Bom enfim, creio que Kvothe trancou dentro de seu baú, seu nome seus anéis e seu alaude…
    se ele sabia o que isso significava, o que poderia acontecer, e se sabia o do porque, isso só o próximo livro pode disser mas é… “Possível que ele tenha feito isso para tancar um Chandriano?!”

COMENTAR