Neste dia da Mulher, nada melhor que comemorar relembrando algumas das personagens mais fortes e extraordinárias da literatura.

Que tal celebrar esta data especial se inspirando em personagens marcantes e poderosas? Não foi tarefa fácil selecionar apenas 7, afinal, são tantas protagonistas e personagens fascinantes, dentre elas: mães, guerreiras, senhoras e meninas.

Nossas personagens são admiráveis por diversos motivos, algumas pela personalidade, outras por serem altruístas ou porque fizeram a diferença na literatura.

Mas vamos ao que interessa! Veja abaixo a minha seleção de heroínas e deixe-se levar por suas histórias e particularidades.

Liesel Meminger – A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak

A Menina Que Roubava Livros - Markus Zusak

Bom, quem já leu esse livro MARAVILHOSO, sabe muito bem porque a Liesel está nela. Quem já leu o livro sabe que Liesel é a Menina que Roubava Livros e que quem narra a história é a própria Morte, dando ênfase as ocasiões em que ela encontra Liesel. O livro se passa durante a Segunda Guerra Mundial, então após a prisão de seu pai que era comunista, e morte de seu irmão, Liesel é entregue a um casal que a adota para sua própria segurança.

Liesel é criada pelos pais adotivos e a relação com a mãe adotiva é conturbada, no entanto, Liesel logo se afeiçoa ao pai adotivo, que consegue distraí-la e confortá-la diante de sua situação. É o pai que incentiva e ensina Liesel a ler e escrever, e a menina ainda jovem se apaixona pela leitura. Liesel é altruísta, humana, esperta e curiosa. Ela apresenta seu lado corajoso e valente ao enfrentar alguns colegas que a provocam e ao começar sua carreira de ladra de livros. A relação que estabelece com seu melhor amigo, Rudy, é muito interessante. A inocência e confiança com que o autor descreve a amizade deles é comovente, ainda assim, há a relação que Liesel possui com Max Vanderburg, um judeu que se esconde em sua casa e por quem Liesel adquire um enorme carinho.

Entre as características mais evidentes da personagem vale citar sua perspicácia, sua vontade de viver e seu senso de justiça. A relação de Liesel com as palavras é muito bonita e mostra o quanto o conhecimento das palavras pode mudar as nossas vidas.

Lisbeth Salander – Série Millenium de Stieg Larsson

 

“… uma jovem pálida, de magreza anoréxica, com cabelos quase raspados e piercings no nariz e nas sobrancelhas. Tinha a tatuagem de uma vespa no pescoço e uma faixa tatuada ao redor do bíceps do braço esquerdo. […] ela tinha uma tatuagem maior na omoplata, representando um dragão. Originalmente ruiva, tingira os cabelos de preto. […] Tinha vinte e quatro anos, mas parecia ter catorze.” (LARSSON, S. 2005, p. 42)”.

Lisbeth Salander é uma das personagens mais fascinantes que já li. Os traumas vividos por ela a tornaram única. Ainda jovem, foi oprimida por querer proteger a mãe de um pai violento e jogada num hospital psiquiátrico, cuja sentença estava confirmada e provavelmente de lá nunca mais sairia.

A tecnologia, é sua salvação de um futuro condenado, Lisbethé possuidora de uma inteligência invejável e memória fotográfica, por isso, presta serviços para uma empresa de espionagem corporativa.

Como diria Zygmunt Bauman em Modernidade Líquida, Lisbeth Salander é fluída e sem fronteiras, exatamente como a Internet proporciona. É difícil defini-la, inclusive no quesito sexualidade, pois ela transita de forma líquida em duas fronteiras, homem e mulher.

Ainda que, tenha uma aparência frágil, é uma mulher que não se intimida e faz justiça com os meios tecnológicos que possui. Em algumas passagens do texto,fica subentendido que cada tatuagem, ou mesmo os piercings que possui, são referências às lutas que travou e venceu durante a sua vida. Uma marca para lembrá-la dos tempos difíceis.

Lisbeth Salander é uma personagem complexa, devido a obscuridade dos acontecimentos que a cercam e das quais acaba por ser vítima. Lisbeth Salander é a representante de mulheres que mesmo após, traumas, opressões, abuso e violência rompem as amarras e demonstram uma força surpreendente.

Emma Bovary – Madame Bovary de Gustave Flaubert

Madame Bovary - Gustave Flaubert

Madame Bovary é a obra de Gustave Flaubert, que conta a história de Emma Bovary, uma jovem com uma mente muito a frente de seu tempo. O livro foi considerado inapropriado e escandaloso na época, mas revolucionou a literatura e até hoje inspira mulheres de todo o mundo a aceitarem seus defeitos e qualidades. Flaubert retratou em sua obra uma protagonista anti-heroica, que ao mesmo tempo que crítica a sociedade burguesa, se deleita em pecados que essa sociedade oferece. Emma Bovary é, sem dúvidas, uma mulher contraditória e inesquecível.

Madame Bovary, quase em tom de zombaria, critica a sociedade burguesa por meio de Emma, que é jovem e sente-se entediada com a vida conjugal. Quanto mais seu marido se esforça para dar à moça o luxo e o domínio sobre ele, mais ela o despreza e mais se enfada de tédio de não ter de se esforçar para nada.

Emma não se contenta com pouco, e está sempre em busca de flertes e fantasias amorosas que a desafiem.

Florentyna Rosnovski – A Filha Pródiga de Jeffrey Archer

A Filha Pródiga - Jeffrey Archer

Florentyna Rosnovski é a protagonista de A Filha Pródiga. Decidida, rica, bonita e inteligente, Florentyna traça desde cedo um plano ambicioso para a sua vida. Ainda muito jovem sonha em tornar-se a primeira mulher a chegar à Presidência dos Estados Unidos. Nós conhecemos sua trajetória desde muito jovem, quando ainda criança se interessa por política e economia. Florentyna é determinada e perspicaz. A fim de alcançar seu objetivo, busca aprender o máximo que pode sobre negócios, comércio e política, demonstrando diversas vezes, seu interesse por qualquer conhecimento. No entanto, uma paixão arrebatadora provoca uma reviravolta em seu destino: Florentyna se envolve com Richard, filho de Kane, inimigo mortal de seu pai.

Em nome desse amor, Florentyna abre mão do dinheiro e da proteção de sua família, o que a obriga a recomeçar do zero. Apesar das dificuldades financeiras, dos conflitos pessoais e do preconceito da sociedade, Florentyna não desiste de seus sonhos e trabalha duro para realizá-los. O amor sincero e profundo que sente pelo marido, e a adoração que ela desperta nele, proporciona à eles tudo que precisam para seguir sempre em frente. A cada capítulo vemos Florentyna crescer e suceder positivamente, mostrando sua obstinação e força.
Mais do que uma história de amor e ódio, vingança e perdão, A filha pródiga é um retrato de uma sociedade e descreve com riqueza os caminhos tortuosos que une as pessoas marcadas pelo mesmo destino.

Katniss Everdeen – Série Jogos Vorazes de Suzanne Collins

Katniss Everdeen, a nossa garota em chamas, é a protagonista da Trilogia Jogos Vorazes, de Suzanne Collins, que se tornou um sucesso de vendas e foi traduzido para mais de 30 idiomas.

A trilogia conta a história de Katniss Everdeen e a história é narrada pela protagonista, que através de seus pensamentos e sob sua ótica dos acontecimentos, consegue provocar no leitor sentimentos conflitantes. Katniss é uma garota de 16 anos que leva uma vida difícil no distrito 12, onde a comida e a saúde são escassas. Por esse motivo, Katniss assume a responsabilidade de cuidar de sua casa e de sua irmã mais nova após a morte de seu pai, e adoecimento de sua mãe, que sem forças para lidar com a morte do marido, entra em depressão profunda e se isola.

Katniss é uma personagem peculiar, extremamente cética, irritável e desconfiada que segue apenas seus instintos de sobrevivência, é honesta e antissocial, no entanto, mostra-se leal com aqueles que ama. Katniss possui uma insegurança e vulnerabilidade muito profundas, frequentes em pessoas da sua idade.

Katniss é uma personagem que sofre uma grande transformação no decorrer da trilogia, frequentemente, observamos ela conhecendo a si mesma, seus sentimentos, entendendo seus desejos e tentando superar seus traumas. Apesar de ser taxada diversas vezes de fria e calculista, por terceiros, e algumas vezes ter se autointitulado egoísta, Katniss possui um espírito nobre e demonstra compaixão por seus inimigos. O fator juventude, pode ser considerado o de maior influência quando se trata de Katniss. A autora, por meio da personagem, que amadurece em meio a realidade sombria e situações traumáticas, nos dá a oportunidade de presenciar uma viagem de autoconhecimento, repleta de medos, incertezas e vontades.

Katniss é aquela personagem cheia de defeitos e qualidades, complexa e fascinante que se aproxima de nós, pessoas humanas.

Aurélia Camargo – Senhora de José de Alencar

Senhora - José de Alencar

Aurélia Camargo é a protagonista da obra Senhora, de José de Alencar. A jovem é descrita com uma beleza celeste e perfeita de herança europeia, mas o que realmente encanta é sua personalidade obstinada. Aurélia é teimosa, decidida, sarcástica e corajosa. Após sofrer uma grande decepção amorosa, ao ver seu relacionamento com o homem que amava acabar por interesse, por parte dele em uma moça mais abastada, Aurélia, de repente, recebe uma herança de um avô que não tinha conhecimento de sua existência.

Decidida a acertar as contas com o homem que lhe trocara por dinheiro, Aurélia usa todas as suas artimanhas para alcançar seu objetivo: Casar-se com Fernando Seixas, o homem que lhe rejeitara.

Aurélia é uma personagem com trações que a tornam carismática e humana. Os dramas que a cercam são comoventes e suas ações ao lidar com tais acontecimentos a tornam muito verdadeira. Ainda jovem, sofre muitas decepções: um pai que a abandonou, a decepção do primeiro amor e a morte de sua mãe deixando-a órfã.

Quanto ao caráter marcante, vou deixar aqui um diálogo entre Aurélia e Fernando ao final da primeira parte “O Preço” (Alencar, 2002, p.40):

“Sou rica, muito rica; sou milionária; precisava de um marido, traste indispensável às Mulheres honestas. O senhor estava no mercado; comprei-o. Custou-me cem contos de réis, foi barato; não se fez valer. Eu daria o dobro, o triplo, toda a minha riqueza por este momento.”

É, gente. Segura esse lacre.

Branca Dias – O Santo Inquérito de Dias Gomes

O Santo Inquérito - Dias Gomes

Entre o real e a ficção está Branca Dias, uma personagem histórica do período colonial brasileiro. Branca tornou-se popular devido as várias peças teatrais, romances, e poemas nela inspirados. A pureza de suas ações e a crença em seus princípios a tornam uma personagem cativante. Ainda que os relatos a respeito de sua existência sejam dos mais variados, todos partilham uma mesma afirmação: Branca Dias, considera cristã-nova para a época, foi perseguida pela Inquisição no Brasil e veio a se tornar um símbolo de resistência à opressão.

Branca Dias era uma menina jovem, ingênua e de bom coração, que um dia avista um homem se afogando no rio e, sem pensar duas vezes, pula no rio para salvá-lo, Branca beija o homem, que descobre ser um padre, soprando ar em seus pulmões e assim salvando-lhe a vida.

Padre Bernardo, no entanto, fica obcecado por Branca e pelo beijo que recebeu, sendo posteriormente o causador de todas as desgraças que sucedem na vida da moça.
Assim, Branca Dias é acusada de cometer “crime de judaísmo” e denunciada ao tribunal da Inquisição pelo padre que, ironicamente, havia salvo. Apesar das muitas injustiças que Branca sofre, tendo suas palavras distorcidas e mal interpretadas diversas vezes, ela se mantém forte em seus ideais, demonstra muito coragem mesmo diante da possiblidade de ir para a fogueira, penalidade máxima da época, e tem a convicção de que é inocente das acusações absurdas que o Santo Inquérito lhe impõe.

Menções honrosas:

  • Jane Eyre – Jane Eyre de Emily Brontë
  • Daenerys Targaerian – As Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin
  • Cersei Lannister – As Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin
  • Hermione Granger – Série Harry Potter de J. K Rowlling
  • Elizabeth Bennet – Orgulho e Preconceito de Jane Austen
  • Claire Beauchamp Randall Fraser – Série Outlander de Diana Gabaldon

E que tal deixar nos comentários qual é a sua personagem incrível?

6 COMENTÁRIOS

  1. Fascinante essa pesquisa, num universo tão extenso de obras, percebi que consegui pinçar excelentes títulos, obrigado por tantas dicas e continue postando sempre que possível, assim ajuda e motiva a nos leitores nos mantendo atualizados. Parabéns

  2. Excelente matéria , que instiga ao leitor querer conhecer mais sobre cada obra , é um texto inteligente e de linguagem simples que como escrevi antes com outra palavra , mas aguça a curiosidade e sim o mundo dos livros nos leva a lugares que desenvolvem a imaginação e nos traz conhecimento . Parabéns! e muito sucesso Carolyne , amei cada parte e sim quero aos poucos ir lendo e relendo cada uma indicações , digo que vou começar por Senhora , seguido por Santo Inquérito , analisando cada personagem feminina e suas atitudes .

  3. Adorei as dicas. Realmente dá vontade de ler tudo que foi indicado. Ja comecei a ler a menina que roubava livros. Parabéns Carolyne!

  4. Não conheço todas as obras citadas no post, mas uma que li e que fiquei surpresa por ter aparecido foi a Emma Bovary, do Madame Bovary.

    O livro foi um estrondo em sua época, mas não por mostrar um lado considerado inexistente na mulher (que tem desejos e busca prazer sexual e felicidade no adultério). Traição sempre existiu e sempre vai existir; o impactante foi esse lado ser retratado em um romance. Se fosse lançado nos dias de hoje, Madame Bovary talvez nem fizesse tanto sucesso, não fosse a escrita magistral de Flaubert. Afinal, temos incontáveis 50 Tons de Cinzas e similares no mercado. Representar a mulher não apenas como objeto, mas também como SUJEITO de desejos já não é novidade alguma.

    De qualquer forma, Emma é mesquinha, egoísta e infantil. É tudo que uma mulher não deveria ser. Não encontra felicidade na vida conjugal, e busca a mesma em adultério após adultério, como se os homens fossem a solução para todos os problemas internos dela.

    De qualquer forma, a crítica da história é afiada, o livro é espetacular e vale a leitura, apesar de se arrastar um pouco no começo. Todavia, afirmar que Emma foi uma personagem feminina incrível já soa um tanto absurdo para mim. Elizabeth Bennet, Daenerys Targaryen, Lucíola, Violet Baudelaire e Dagny Taggart seriam ótimas substituas para a Emma nessa lista.

    ———————————ALERTA DE SPOILER————————
    Não preciso nem mencionar o modo ela termina a história; não consegue lidar com a pressão de todos os problemas que ela CAUSOU para si e para o marido e resolve cometer suicídio. Ela literalmente “não aguenta o tranco” e se mata. Como isso pode ser admirável em qualquer pessoa?

COMENTAR